Revejo-me muito

Chegar aos 30 sem “anel” nem emprego fixo. O que pensam os millennials?

Adorei esta peça. Houve tantas coisas que foram ditas que fizeram eco em mim, que foi quase como que uma iluminação. Como um “então afinal é por este motivo que me sinto desnorteada e em ansiedade quanto penso no futuro!” – as regras do jogo mudaram, e neste momento ninguém sabe ao certo quais são as novas regras.

Eu tenho alguma sorte no que toca ao emprego, e não tenho a preocupação dos recibos verdes, mas tenho na mesma a temática da realização profissional.

E agora, o que fazer? Quando é pouco realista ter casa própria, família e emprego para a vida, como os meus pais tinham?

Inquieta-me muito esta falta de previsibilidade na nossa vida. E ainda ontem estava a ter uma conversa com o Mr. IT que andava mais ou menos à volta disto, quando concluí com um “A vida desilude-me muito”, e eis que a peça termina com isto:

Nunca vi este filme, mas vou ver assim que possível.

Deixar uma resposta