Malta jeitosa que tudo sabe

Onde raios posso encontrar fronhas de almofada de cetim?

Comprei uma vez na La Redoute, mas percebi muito rapidamente que eram de “cetim”, ou seja, para aí 5% de cetim e o resto de algodão rasca.

E lençóis de algodão bons? Em que preço costumam andar para uma cama de casal grande? Vi no outlet da Lameirinho e eram 150€ um conjunto, não consegui perceber se era caro ou o preço normal de um conjunto de cama razoável.

O loop da ansiedade

Tornei-me uma utilizadora frequente do Medium enquanto leitora – quem me segue no Twitter, abençoados sejam, poderá ter reparado nos posts que tenho partilhado. Gosto da ideia de consumir conteúdo universal sem ter de lidar com a identidade individual de um blog; ligo muito mais a essa identidade quando leio blogs pessoais.

Tenho lido na plataforma muitos artigos sobre como lidar de forma mais eficaz com ansiedade, mindfulness, etc. Todos os artigos a quem dei um coraçãozinho (que recentemente mudou para palmas? Fiquei baralhada) levantavam pontos válidos, e que me fizeram sentido.

No entanto, todos esses artigos tiveram algo em comum: fizeram-me sentir ainda mais ansiosa.

Porque em todos estes posts, houve sempre como que uma receita para curar a maleita: alimentação saudável, exercício, escrever um diário de gratidão, focar no presente. Tudo isto é, repito, válido e vejo como possa ajudar a apaziguar a preocupação constante em que vivo.

O que me faz entrar em loop de ansiedade é mesmo o nem saber por onde começar. Estive a fazer tudo errado a minha vida toda? Se tiver tentado manter um diário durante uns meses e depois ter deixado cair o hábito, sou um falhanço? Esse tipo de questões surgem, de forma mais ou menos consciente, quando tento encontrar uma estratégia para combater isto.

Mais alguém sente isto? Ou acham este tipo de leituras uma parvoíce?